Polícia apura denúncia de maus tratos em criadouro de jacarés em Barra Mansa

Ação que apurou maus tratos foi coordenado pela delegado Marcelo Russo (à direita)

Barra Mansa – A Polícia Civil de Volta Redonda, em ação coordenada pelo delegado adjunto Marcelo Russo, realizou uma operação nesta quarta-feira (18) para apurar uma denúncia de maus tratos contra jacarés em uma fazenda de Barra Mansa. Segundo Russo, em torno de 1,8 mil animais foram encontrados em condições inadequadas de vida nos 24 tanques espalhados pelo criadouro. A denúncia foi feita por uma ONG de Volta Redonda, a Amigas dos Bichos.

Russo contou que os jacarés estavam amontoados em tanques, sem nenhuma proteção ao sol e que a água dos tanques estava suja e tinha a temperatura mais alta que o ambiente, o que é um indício de má qualidade.

Jacarés estavam amontados em tanques com água de má qualidade, segundo delegado (Foto: Cedida pela Polícia Civil)

– A água estava mais suja que a do Rio Tietê (em São Paulo). Para se ter uma ideia, o pH ideal é entre 6 e 7, e ali havia registro de 4. Quando chegamos ao local, a temperatura do ambiente era de 30ºC, enquanto a da água chegava a 32ºC – disse o delegado, dizendo que a carne usada para alimentar os animais parecia estar podre.

Russo revelou que o proprietário do criadouro afirmou que os animais eram criados para abate, mas que o fechamento de um abatedouro acabou resultando na superpopulação dos jacarés.

O delegado ressaltou que a ação contou com o apoio de agentes da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), da ONG S.O.S Fauna, de São Paulo, e de uma perita bióloga e veterinário na ação. Peritos coletaram amostras da água dos tanques e da carne utilizada para alimentar os bichos. O material será analisado.

Apesar dos indícios de maus tratos, o delegado afirmou que vai aguardar esses laudos para que alguma providência seja tomada, mas que de qualquer forma os fatos serão encaminhados ao Ministério Público e que isso já pode gerar uma sanção, podendo variar a dois anos de prisão ou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

O policial informou que os responsáveis do criadouro ficaram como fiéis depositários dos jacarés e se comprometeram a tomar algumas medidas imediatas de reparação, como a troca da água e construção de tanques maiores e a substituição da alimentação dos animais. Ficou acordado também que uma representante de uma ONG de defesa dos animais fará visitas semanalmente para constatar as condições em que estão os répteis.

Fonte: diariodovale.com.br