Campanha da Fraternidade fala sobre superação da violência

Com o objetivo de construir a fraternidade, promovendo a cultura da paz, da reconciliação e da justiça, a diocese de Barra do Piraí – Volta Redonda, abriu oficialmente hoje (14), a Campanha da Fraternidade 2018 com o tema “Fraternidade e Superação da Violência” e o lema “Vós sois todos irmãos” (Mt 23,8).
A cerimônia de abertura aconteceu na cúria diocesana, na Vila Santa Cecília onde contou com a presença do Bispo Dom Francisco Biasin, Padre Juarez Sampaio, Padre Nilson José dos Santos, coordenador diocesano da Pastoral Carcerária, Aurea Dias, professora da Universidade Federal Fluminense, Padre Gildo Nogueira e o advogado Alex Martins, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-VR).
De acordo com Dom Francisco, depois de duas campanhas em defesa do meio ambiente e biomas, para este ano o tema abordado será a violência. ”Os índices da violência são assustadores e a cada ano aumentam no país e no estado do Rio. Ninguém nasce violento, mas o que provoca está violência é a sociedade, que discrimina e comete injustiça contra os mais vulneráveis, iniciando assim o processo de violência”, destacou. O tema da Campanha será trabalhado este ano, segundo dom Francisco, através de grupos de base durante a Quaresma e ao longo do ano. “A Igreja tem os seus meios normais como as missas e os grupos fixos através dos grupos de jovens e famílias. Temos membros da comunidade que são partes de diálogos entre a comunidade e a igreja. Com isso pretendemos fazer com que as nossas comunidades sejam canais de divulgação contra a violência. A comunhão com outras igrejas também é importante para trabalharmos contra esta violência. Que esta campanha não termine na Páscoa e dure para sempre”, ressaltou.

Dados

Dados do texto-base da campanha dão conta de que acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), apesar de possuir menos de 3% da população do planeta, o Brasil corresponde por quase 13% dos assassinatos. A pesquisa aponta também que em 2014, o país chegou ao topo do ranking, com o número absoluto de homicídios, totalizando 59.627 mortes. Só no estado do Rio, dados do Instituto de Segurança Pública registraram em 2017, 6.731 assassinatos. No interior, ainda segundo os dados do ISP, em 2017 foram registradas 1.549 mortes violentas.
– Se nós visitarmos os nossos presídios perceberemos que a maioria dos internos é composta por negros e jovens. Nota-se que a violência atinge principalmente aquelas pessoas que não tem uma proteção dentro de casa. As questões da violência incluem o poder público e o poder judiciário, e se não trabalharmos juntos com outras ações não dará muitos frutos. Acredito que a paz se constrói com uma palavra, “irmãos”, temos que trabalharmos juntos e acreditarmos que temos um Pai comum, assim viveremos a Fraternidade”, afirmou Dom Francisco.
De acordo com o padre Juarez, só do ano 2000 para cá a igreja debateu sete vezes sobre a violência, e nesta campanha vem convidar a todos para realizar uma conversão social. “Muitas vezes nós cultivamos a violência na forma de se vestir ou de se comportar, na nossa sociedade a superação da violência vai depender de todos nós”, reforçou. Na opinião do padre Nilson José dos Santos, coordenador diocesano da Pastoral Carcerária, a pastoral exerce um papel de apoio ao estado, como também como uma ação restauradora junto aos presos. “Precisamos desenvolver ações que humanizem a vida dos presos para que tenham uma vida mais digna”, salientou. Já o representante da OAB em Volta Redonda, Alex Martins, é da opinião que as instituições públicas têm que criar formas e meios para diminuir a violência, e uma das soluções é o diálogo. “Temos que conscientizar as pessoas de que todos são responsáveis pela diminuição ou não da violência. É preciso criar momentos reflexivos como esse para tentarmos achar caminhos para coibir a violência”, frisou.

 

Fonte: diariodovale.com.br